MULHERES NA CIÊNCIA

Pesquisadoras da USP vencem prêmio para mulheres cientistas

Biomédica e matemática estão entre as sete vencedoras da 13ª edição do prêmio promovido pela L’Oréal, Unesco e ABC


As sete cientistas vencedoras do Para Mulheres na Ciência em 2018 – Foto: Divulgação

Duas pesquisadoras da USP venceram a 13ª edição do Para Mulheres na Ciência, premiação que busca promover a igualdade de gênero no ambiente científico. Sabrina Lisboa, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), e Luna Lomonaco, do Instituto de Matemática e Estatística (IME), estão entre as sete contempladas pelo programa desenvolvido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Unesco no Brasil e a Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Desde 2006, o prêmio já reconheceu o trabalho de mais de 80 pesquisadoras brasileiras. Neste ano, o programa recebeu maior número de inscrições de projetos desde a criação do prêmio no Brasil. Os jurados analisaram mais de 500 pesquisas de jovens cientistas de todo o País.

As vencedoras, divididas nas categorias Ciências da Vida, Química, Matemática e Física, receberão uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil para desenvolverem projetos nos próximos 12 meses.

A cerimônia de premiação será realizada dia 4 de outubro, na sede da L’Oréal, no Rio de Janeiro.

Terapia mais eficaz para pacientes com Transtorno de Estresse Pós-Traumático


Sabrina Lisboa é uma das vencedoras na categoria Ciências da Vida – Foto: Currículo Lattes

Sabrina Francesca de Souza Lisboa, biomédica da FMRP, busca uma terapia eficaz para pacientes que sofrem de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), uma condição que atinge cerca de 8% da população mundial. Atualmente é preciso combinar diversos medicamentos para o tratamento, o que aumenta os riscos de efeitos colaterais.

O grupo de pesquisa da pós-doutoranda da FMRP procura, portanto, entender as alterações que acontecem no cérebro de quem desenvolve o TEPT através de modelos experimentais. A partir das descobertas, um dos medicamentos já avaliados como uma possível terapia é um composto sintético semelhante ao THC encontrado na cannabis.

 

 

 

 

Estudo do fractal chamado Conjunto de Mandelbrot

Luna Lomonaco venceu o prêmio na categoria Matemática – Foto: Currículo Lattes

Luciana Luna Anna Lomonaco, professora do IME, é especialista em sistemas dinâmicos, a ciência que analisa o comportamento de sistemas que mudam com o tempo e, assim, tenta prever seus próximos movimentos.

Em seu projeto, a cientista se dedica ao estudo do Conjunto de Mandelbrot, um dos fractais mais conhecidos, e suas cópias dentro e fora do objeto geométrico.

A lista completa das vencedoras pode ser acessada no site do prêmio.

*Com informações da Assessoria de Imprensa do Prêmio Para Mulheres na Ciência e publicado originalmente no Jornal da USP