LIVROS

'Despindo Corpos' traz uma reflexão sobre as mudanças e paradoxos femininos em relação à sociedade

Passando pela libertação de antigos tabus à ditadura militar, o livro traça um panorama político-cultural sobre mulheres desde a década de 60

Despindo corpos: uma história da liberação feminina no Brasil (1961-1985)

Eu digo não ao não. Eu digo. É proibido proibir. É proibido proibir. É proibido proibir - entoava Caetano Veloso em sua música de 1968. Pode parecer estranho que esta música tenha sido lançada no mesmo ano em que foi sancionado o AI-5, decreto emitido pela ditadura civil-militar que restringiu, veementemente, os direitos civis dos cidadãos e a liberdade de imprensa.

Em meio a uma censura nos meios de comunicação e a severas restrições políticas, vivia-se, também, um clima de rebeldia. Acompanhando tendências da revolução sexual que vinham de outros países, o Brasil também se liberava.

A partir da década de 1960, a liberação sexual rompia antigos tabus acerca da sexualidade. E com isso, novas possibilidades se abriam às mulheres, sobretudo, devido ao uso da pílula anticoncepcional, os novos olhares sobre a virgindade, a inserção no mercado de trabalho e a luta dos movimentos feministas. Essas novas liberdades apareceriam estampadas nos corpos, que estavam mais descobertos e sensuais. As revistas femininas brasileiras desse período, mesmo sob o rigoroso olhar dos censores, acompanhavam as tendências de liberação sexual, e ensinavam suas leitoras em como ser essa nova mulher.

Ao despir os corpos para serem essa mulher liberada, novos desafios apareciam, e com eles, novos paradoxos marcavam as relações com seus parceiros e com elas mesmas.

Sobre a autora: Gisele Bischoff Gellacic é doutora em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e realizou estágio de pesquisa na École des Haut es Études en Sciences Sociales de Paris (EHESS). Pesquisadora das temáticas de gênero, feminismos, história do corpo e sexualidade. Professora do Ensino Superior e Básico.

Confira