INTERNACIONAL

Jovens estudantes estão melhorando sua leitura, diz estudo internacional

Indicadores ressaltam a importância da pré-escola e alfabetização eficientes


Menina estudante da Haj Tokyo School no subúrbio de Juba, no Sudão do Sul, participa de exercício de leitura em inglês. (Foto: Mark Hofer/UNESCO)

Os níveis de leitura e escrita estão numa crescendo ao redor do mundo, dando a jovens estudantes um leque de habilidades que servirão em seu futuro, além de contribuir para a implementação dos SDGs (Metas de Desenvolvimento Sustentável da ONU), em particular aqueles relacionados à educação inclusiva e de qualidade.

De acordo com o PRILS (Progress in Internacional Reading Literacy Study), inglês para Progresso Internacional do Estudo da Alfabetização, publicado pela IEA (Associação Internacional para a Avaliação do Sucesso Educativo) na UNESCO.

“Um começo precoce na alfabetização tem benefícios duradouros, com estudantes que freqüentaram a pré-escola por três anos ou mais, estudos mostram resultados médios mais altos” disse assessoria da UNESCO em nota sobre as descobertas.

Também é ressaltado o impacto de um ambiente de apoio, com pais encorajando seus filhos em atividades de leitura, e ambientes seguros e com recursos para pesquisa. Somadas à uma equipe de professores qualificada, essas condições são ideais para bons resultados.

Mais adiante, o relatório mostra que estudantes do sexo feminino tiveram melhores resultados do que seus colegas de gênero masculino em 48 países e territórios dependentes por uma média de 19 pontos.

O PRILS desse ano foi estendido para incluir a avaliação do à leitura online, o chamado ePRILS. As descobertas dessa seção apontam que os bons leitores têm também uma vantagem nas habilidades digitais.

A UNESCO e a IEA lançaram um guia de como índices de avaliação de larga escala como o PRILS podem ajudar no progresso em direção às metas relacionadas à educação da organização.  Os objetivos incluem educação básica, desenvolvimento na infância, habilidades para o trabalho, equidade de gênero e inclusão, melhoras nos espaços de aprendizado e capacitação de professores.

Destaques