SELEÇÃO UNIFICADA

Todos os cursos da USP oferecerão vagas via Sisu

Três últimas unidades que resistiam decidiram aderir ao sistema que seleciona estudantes com nota do Enem; estudo aponta que rendimento de alunos que já ingressaram com Sisu é o mesmo dos que entraram via Fuvest

No próximo processo seletivo de alunos, todos os cursos da USP (Universidade de São Paulo) oferecerão vagas via Sisu (Sistema de Seleção Unificada). A FMUSP (Faculdade de Medicina), a EESC (Escola de Engenharia de São Carlos) e o IF (Instituto de Física), as três últimas unidades que ainda não participavam, decidiram aderir ao sistema que seleciona candidatos com base nas notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).


Saiba mais sobre nossa campanha de assinatura solidária; além de nos apoiar, você também ganha recompensas

Das 175 vagas da FMUSP, 50 vagas serão reservadas para os estudantes via Sisu. Dessas vagas, 25 são para alunos de escola pública, 15 para PPI (pretos, pardos ou indígenas) e 10 para ampla concorrência.

Foto: Divulgação/ FMUSP

Fachada do Departamento de Cardiopneumologia da Faculdade de Medicina da USP, uma das mais tradicionais do país

Já o IF terá 20% das 270 suas vagas para o Sisu, sendo 24 para escola pública, 20 para PPI e 10 para ampla concorrência.

A EESC optou por oferecer 59 vagas ao processo: 55 destinadas a alunos de escolas públicas e 4 a candidatos pretos, pardos e indígenas. O número representa cerca de 12% do total de vagas nos cursos da escola, que oferece anualmente 490 vagas.

A Pró-Reitoria de Graduação da USP informou que haverá maior quantidade de vagas destinadas ao Sisu no processo de seleção 2018. Em 2017, foram oferecidas 2.338 vagas. Os números totais serão divulgados no próximo dia 4 de julho, após reunião do Conselho Universitário.

Sem diferença de rendimento

Um levantamento da PRG (Pró-Reitoria de Graduação) apontou que a média das notas dos primeiros estudantes que entraram na USP via Sisu não tem diferenças significativas em relação aos demais alunos da Universidade.

O estudo considerou o desempenho dos estudantes em 2016, primeiro ano com ingressantes via Sisu. A análise levou em conta todas as disciplinas, com aprovações e reprovações. A diferença máxima entre as médias de notas não superou dois pontos. Também houve um equilíbrio entre os grupos que obtiveram as maiores médias de notas.

No primeiro semestre de 2016, por exemplo, os ingressantes do Sisu tiveram as maiores médias de notas nos seguintes cursos: Engenharia de Materiais, Engenharia Química, Ciências Econômicas, Relações Internacionais, Geografia, História, Física, Química, Geologia, Pedagogia, Ciências Biomédicas e Psicologia.

Quem entrou na USP via Fuvest conseguiu média maior nos cursos de Engenharia de Produção, Direito em São Paulo, Direito em Ribeirão Preto, Medicina, Ciências Sociais, Filosofia, Letras, Enfermagem e Ciências Biológicas. Confira o quadro completo abaixo:

Gráfico: Jornal da USP; Fonte: Pró-Reitoria de Graduação

Dados do primeiro e do segundo semestre de 2016

No segundo semestre, algumas médias se alteraram e o desempenho dos alunos via Sisu foi superior também nos cursos de Engenharia de Produção, Filosofia, Letras e Enfermagem, enquanto os da Fuvest conquistaram maiores médias em História, Pedagogia e Psicologia.

Em 2018, A USP completará três anos da adesão ao Sistema de Seleção Unificado. Cada unidade de ensino da USP tem a opção de aderir ou não ao sistema. A quantidade de vagas destinadas ao Sisu que cada unidade pode oferecer tem um limite: 30% em cada curso e turno. Dentro desse porcentual, as unidades de ensino podem escolher três modalidades: ampla concorrência, ou seja, para todos alunos que realizaram a prova do Enem; escola pública: estudantes que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas; e para egressos do ensino médio público autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

No primeiro ano, sete unidades resolveram não destinar vagas pelo Sisu, mas apenas pela Fuvest. No último processo de seleção, o número caiu para apenas três.

(*) Com informações do Jornal da USP.

Desde que foi criado, em março de 2015, o Painel Acadêmico só cresceu. Enfrentando diversas dificuldades, conquistamos todos os dias novos leitores com nossa produção jornalística independente e linha editorial de permanente defesa do acesso ao conhecimento de qualidade para todos os brasileiros. Para seguir com a missão não só de informar sobre os principais acontecimentos na área, mas sobretudo de diminuir a distância entre a produção acadêmica e o grande público, precisamos da sua ajuda.
Saiba como apoiar nosso projeto jornalístico independente sobre Educação.
Quem contribui ganha livros e descontos:

Destaques