TECNOLOGIA

Tecnologia russa diminui custos de produção de ouro

A nova técnica é baseada no uso amônia em conjunto com o cianeto, e é quatro vezes mais rápidas do que o método clássico

Químicos russos da NITU "MISIS" (Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia, de Moscou) , em parceria com cientistas chineses, desenvolveram uma nova técnica para a extração de ouro do minério, que permite reduzir o custo de metal precioso em 30-40%.

Ao contrário do que se costuma pensar, atualmente o ouro não é extraído da terra em forma de pepitas ou de areia dourada, como era comum no século XIX ou em outros períodos históricos, e sim pelo processamento químico de cobre e outros minérios, que contêm ouro.

O metal precioso é extraído diretamente das rochas com a ajuda de água e compostos de ácido cianeto, que se ligam facilmente ao ouro. Esta técnica, que permite tomar quase todo o ouro do minério é extremamente lenta e cara. São necessárias entre 100 e 120 horas para completar todo o processo. Dessa forma, uma onça de ouro (30 gramas do metal), extraída através dessa técnica, custará cerca de 800 dólares.

A nova técnica criada por russos e chineses é baseada no uso amônia em conjunto com o cianeto. O método é quatro vezes mais rápido do que o modo clássico e o material extraído está menos exposto a impurezas indesejadas, como o cobre. Graças a isso, os mineiros vão gastar menos esforços e recursos na limpeza de ouro de cobre do que antes, explicam os cientistas.

"Naturalmente, há outras tecnologias eficientes que extraem quase todo o ouro do minério, mas requerem custos enormes, por isso sua introdução ainda não é viável. Com nossa tecnologia podemos obter de 85 a 90% de ouro em cada processo de extração. É uma porcentagem mais aceitável", explicou o professor universitário Vadim Tarasov.

A nova metodologia, de acordo com a universidade, já foi testada em um dos depósitos de ouro no Tajiquistão, onde o minério aurífero contém uma grande quantidade de cobre. Segundo os cientistas, a tecnologia russa lidou com a tarefa de separar o cobre do ouro reduzindo em cerca de cinco vezes o tempo dos métodos antigos.

Segundo os cientistas da NITU "MISIS", a aplicação deste método é possível em todos os depósitos de minério na Rússia. Além disso, como observa Tarasov, a mesma tecnologia pode ser usada para "extrair" ouro de eletrônicos defeituosos e computadores usados.

Destaques