IMIGRAÇÃO

Imigração de trabalhadores qualificados para São Paulo aumentou nos últimos anos

De acordo com a pesquisadora, umas das razões do aumento da imigração de trabalhadores internacionais do conhecimento para São Paulo é a inserção do Brasil no novo cenário econômico internacional globalizado, marcado pela intensificação do fluxo do capital e da mobilidade da produção industrial

A imigração para o Estado de São Paulo de trabalhadores internacionais do conhecimento – como são definidos profissionais qualificados, com ao menos um título universitário e que agregam valor econômico ao país por meio de sua formação intelectual e criatividade, como engenheiros e cientistas – aumentou mais de 40% nos últimos 10 anos.

Em 2006 São Paulo contabilizava 6.075 trabalhadores internacionais do conhecimento com vínculo formal de emprego. Em 2010, esse número saltou para 7.448 e, em 2015, atingiu 8.615.

Os dados, obtidos da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), do Ministério do Trabalho, foram apresentados por Rosana Baeninger, pesquisadora do Nepo (Núcleo de Estudos da População) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e coordenadora do Projeto Temático Observatório das Migrações em São Paulo, apoiado pela FAPESP, durante palestra na mesa que teve como tema "Ciência Política e Economia", na FAPESP Week Montevideo.

Organizado pela Asociación de Universidades Grupo Montevideo, a UDELAR (Universidad de la República) e a FAPESP, o simpósio, que ocorreu entre os dias 17 e 18 de novembro no campus da UDELAR, em Montevidéu, teve como objetivo fortalecer as colaborações atuais e estabelecer novas parcerias entre pesquisadores da América do Sul nas diversas áreas do conhecimento. Participaram do encontro pesquisadores e dirigentes de instituições do Uruguai, Brasil, Argentina, Chile e Paraguai.

“O Brasil, e especificamente o Estado de São Paulo, tem se inserido e se beneficiado da migração de mão de obra internacional qualificada e de sua inserção no mercado de trabalho nacional”, disse Baeninger à Agência FAPESP.

De acordo com a pesquisadora, umas das razões do aumento da imigração de trabalhadores internacionais do conhecimento para São Paulo é a inserção do Brasil no novo cenário econômico internacional globalizado, marcado pela intensificação do fluxo do capital e da mobilidade da produção industrial.

A movimentação do capital internacional e da produção industrial fez com que aumentasse a demanda por mão de obra qualificada – especialmente a vinculada a setores como o de ciência e tecnologia – em diversos países, incluindo o Brasil, avaliou Baeninger.

“A imigração de trabalhadores internacionais do conhecimento para países como o Brasil, que na década de 1970 era chamada de ‘fuga de cérebros’, é um fenômeno que sempre existiu, mas se intensificou com essa nova configuração do mercado globalizado, em que as empresas passaram a demandar mais mão de obra qualificada, estimulando um novo fluxo de circulação de cérebros”, afirmou.

O número de trabalhadores internacionais do conhecimento que mais tem aumentado no Estado, segundo o levantamento, é o de provenientes de países da América Latina, especialmente os que integram o Mercosul.

Em 2006, essa categoria de trabalhadores oriundos de países da América Latina, como Argentina, Bolívia, Chile e Uruguai, representava 33,23% da força de trabalho estrangeira qualificada no Estado de São Paulo. Em 2015, passou a representar 45%, apontou a pesquisa.

Uma das razões para esse aumento de participação, segundo Baeninger, foi um acordo firmado no âmbito do Mercosul que facilitou a concessão de visto de trabalho temporário para os cidadãos de países integrantes do bloco econômico.

“Países como a Argentina e o Chile sempre enviaram muitos desses trabalhadores para o Brasil, especialmente na década de 1970, quando estes países passaram por um período de ditadura militar. Nos últimos anos, contudo, a mobilidade da mão de obra qualificada desses países para o Estado de São Paulo tem aumentado em razão de fatores como a própria criação do Mercosul”, indicou.

A maior parte dos trabalhadores internacionais do conhecimento atuantes em São Paulo e oriunda de países do Mercosul é homem. Nos últimos anos, entretanto, tem aumentado o número de mulheres.

Aproximadamente 88% dos trabalhadores, chamados de “supercriativos”, têm curso superior completo, 4% realizaram mestrado e 8% doutorado.

Segundo a pesquisa, a mão de obra internacional qualificada está mais espraiada por cidades do interior ou próximas à capital, como Campinas, diferentemente dos trabalhadores do conhecimento provenientes de outras regiões do Brasil, que se concentram na Região Metropolitana de São Paulo, porta de entrada para esse tipo de imigração.

“Há uma forte presença de trabalhadores internacionais do conhecimento em cidades do interior paulista, onde ocorreu um aumento da instalação de fábricas de empresas multinacionais”, disse Baeninger.

“São Paulo precisa aproveitar melhor as vantagens apresentadas por essa intensificação da imigração de mão de obra superqualificada”, avaliou.

Benefícios

Entre os benefícios apresentados por esse fluxo de mão de obra qualificada para São Paulo, segundo a pesquisadora, estão a troca de conhecimento e a transferência de tecnologia.

Outra vantagem é que esse contingente de trabalhadores acaba demandando novos serviços até então disponíveis só na metrópole, como escolas que oferecem ensino em inglês e escolas de idiomas.

“As cidades menores acabam dinamizando seus processos de urbanização para atender a demandas qualificadas, construindo centros comerciais e shoppings, por exemplo”, disse Baeninger.

Outra contribuição, na avaliação da pesquisadora, é a desmistificação da percepção de que no Brasil só há a “imigração da pobreza”.

“À medida que a população das cidades do Estado de São Paulo vai se deparando com esse contingente de trabalhadores internacionais do conhecimento, isso contribui para demonstrar que também há, no país, um outro movimento de imigração qualificada”, estimou.

O fluxo de trabalhadores internacionais do conhecimento é acompanhado pela imigração de força de trabalho não qualificada das mesmas origens dos primeiros, ponderou Baeninger.

Um dos exemplos desses fluxos migratórios confluentes é o da Bolívia, que ao mesmo tempo em que exporta mão de obra altamente qualificada para o Brasil, como médicos, também envia trabalhadores que atuam na indústria têxtil, em oficinas de costura.

“A existência concomitante desses grupos distintos de imigrantes em uma sociedade é importante para desconstruir preconceitos em relação a grupos de imigrantes no Brasil, como os bolivianos”, avaliou a pesquisadora.

Alheios à crise

Na opinião da pesquisadora, nem mesmo a crise econômica deve arrefecer o fluxo de trabalhadores internacionais do conhecimento para o país, principalmente dos oriundos da América Latina.

Em 2010, por exemplo, os pesquisadores observaram que o fluxo de imigrantes qualificados da América Latina para o Brasil aumentou em relação aos anos anteriores, mesmo após o país ter sido fortemente afetado pela crise econômica mundial, iniciada em 2008.

“Constatamos que, após a crise, em 2008, o fluxo de imigrantes qualificados continuou aumentando em 2010, enquanto o de outras nacionalidades diminuiu”, comparou Baeninger.

“Minha hipótese é a de que continuará crescendo a imigração de trabalhadores internacionais do conhecimento para o Brasil, especialmente os oriundos de países do Mercosul”, estimou.

 

Desde que foi criado, em março de 2015, o Painel Acadêmico só cresceu. Enfrentando diversas dificuldades, conquistamos todos os dias novos leitores com nossa produção jornalística independente e linha editorial de permanente defesa do acesso ao conhecimento de qualidade para todos os brasileiros. Para seguir com a missão não só de informar sobre os principais acontecimentos na área, mas sobretudo de diminuir a distância entre a produção acadêmica e o grande público, precisamos da sua ajuda.
Saiba como apoiar nosso projeto jornalístico independente sobre Educação.
Quem contribui ganha livros e descontos:

Destaques