RIO DE JANEIRO

MPF exige retirada de faixas 'Fora, Temer' do Colégio Pedro II

Em ofício enviado ao reitor da instituição, procurador recomendou ainda que a instituição proíba que novos cartazes com conteúdo político sejam afixados

O reitor e a diretora geral do campus Humaitá do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, receberam uma recomendação do MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) para retirar cartazes com as palavras “Fora, Temer” do portão e da área interna da escola. De acordo com ofício enviado à instituição no dia 26 de setembro, caso a determinação não fosse cumprida, os dirigentes seriam alvos de ação de improbidade administrativa e processados por crime de prevaricação.

Segundo o procurador Fábio Moraes Aragão, autor da recomendação, o MPF recebeu uma reclamação do pai de um aluno, o qual afirmou que professores teriam incentivando a colocação do material. A diretora da unidade também teria se negado a retirar o material.

O procurador recomendou que o Colégio investigue a responsabilidade de funcionários que permitiram que os materiais fossem afixados, além de determinar que a colocação de novos cartazes, banners ou panfletos com conteúdo político passe a ser proibida nas dependências da escola.

“A doutrinação política e ideológica de alunos atenta contra a integridade intelectual de crianças e adolescentes, que pela fragilidade etária e subordinação hierárquica se encontram em situação de vulnerabilidade, tornando-se reféns de determinadas agendas partidárias. Além do mais, professores e servidores, em razão do poder de autoridade em relação aos alunos, devem se abster de usar tal prerrogativa para influenciar os alunos em suas convicções políticas pessoais”, diz a recomendação.

De acordo com informações do blog de Ancelmo Gois, de O Globo, o reitor do Colégio Pedro II, Oscar Halac, afirmou que as faixas já foram retiradas do portão e da área interna da unidade Humaitá. Segundo ele, “o Colégio é laico em todos os aspectos, inclusive na gestão do partidarismo político”.

Leia aqui a recomendação na íntegra.

Destaques