POLÍTICA

A história e o ensaio geral do golpe

Por que não há, como havia em 1964, um instituto fracamente golpista, como foi o Ipês? A resposta é simples: hoje, o Ipês é a Globo

Nos anos que antecederam o golpe militar, foi criado um instituto para coordenar a relação entre civis e militares. Esse instituto chamava-se Ipês. Dentre os seus diversos atributos estava a coordenação da mídia, que ficava a cargo do escritor Rubem Fonseca. Fonseca ainda não era um autor publicado (viria a ser pelas edições GRD, que recebi polpudas verbas de um programa da inteligência norte-americano). Não passava de um executivo da Light destacado para atuar no Ipês.

O Ipês fazia filmes de propaganda anticomunista e peças publicitárias, que eram espalhado pelo país e exibidos nos cinemas. Também pagava anúncios em jornais e rádios. E ainda espalhavam panfletos de mão em mão, dizendo que o diabo era vermelho e que Jango era seu profeta brasileiro.

Mas não era só isso. O instituto contratava agências de publicidade para pautarem jornais, revistas, programas de televisão e rádio, que martelavam dia e noite notícias contra o governo legitimamente eleito.

O Ipês era financiado por industriais da Fiesp, mas também por agências norte-americanas, mais ou menos sigilosamente. Ou seja, todo mundo sabia, mas nunca era fácil de provar. 

Reprodução/Facebook de Stanley Burburinho
 

Uma agência de publicidade contratada pelo grupo, e isso é menos conhecido, chamava-se CommonWealth, e tinha a sede na Park Avenue, em Nova York. Todo mês a pauta contra o governo mudava – uma hora era contra as reformas de base, outra pedindo mudanças trabalhistas para facilitar a vida dos patrões, depois atacavam as ligas camponesas, e quando não tinha outro assunto, apelava para denúncias, muitas inventadas, de “corrupção”, mas só do governo Jango. O que a direita fazia, no Rio, com Carlos Lacerda, ou em São Paulo, com Ademar de Barros, por exemplo, não era nunca considerado grave.

 

Como era uma agência de publicidade que pautava os jornalistas, todo mês o instituto recebia um relatório de mídia, com informações sobre quantas matérias tinham saído, quantas entrevistas haviam sido dadas, como estava o clima “contra o governo”, como haviam sido as conversas com os proprietários de jornal. E, para dar molho à história, os acontecimentos de março de 1964 foram apelidados de “Projeto B”. O golpe no Brasil de 1964 tinha até apelido.

O Ipês, junto com outro instituto, chamado Ibad, montou uma enorme bancada no Congresso, financiando candidaturas de políticos conservadores para a eleição de 1962. A CPI do Ibad, ainda antes de 1964, investigou o caso e incomodou muita gente. Nela se destacou o deputado federal paulista Rubens Paiva, que desnudou o esquema e ficou marcado para morrer pela ditadura militar (seu corpo até hoje está desaparecido).

O objetivo do Ipês-Ibad era claro, desarticular a sustentação político-parlamentar de Jango.  Trabalhava como emissário ipesiano um poderoso banqueiro carioca, Jorge Oscar de Mello Flores, diretor da Sul-América Seguros, responsável por operacionalizar no coração do Poder Legislativo o pesado lobby do instituto, cujo financiamento era sustentado por doações de grandes empresas brasileiras e multinacionais aqui instaladas.

A principal função de Mello Flores era coordenar uma rede suprapartidária de parlamentares arregimentados pelo Ipês, para barrar os projetos do governo no Congresso e por em xeque, permanentemente, a capacidade de Jango de governar. Dessa forma, Jango se veria cada vez mais isolado na cena política nacional, criando um clima de instabilidade que o levaria a radicalizar o discurso e a ação.

A  preocupação com a mídia era uma constante nas reuniões dos diretores do instituto. Tanto para saberem como iam os deputados “aliados”, como para medir o nível de pressão política exercida em Jango e como a sociedade se comportava. A agência de publicidade também marcava reuniões para arrecadação de fundos para se pagar o golpe – era preciso pagar viagens, telefonemas, deputados, filmes, peças de publicidade.

Há alguns institutos parecidos com o Ipês atuando por aí. Organizam eventos, promovem debates, reúnem barões do empresariado e da mídia. Mas eles não são nada perto do que foi o Ipês.

E por que não há um grande Ipês? Por que não é preciso mais pagar um instituto autônomo para fazer a coordenação de mídia do golpe. Existe um grande grupo de mídia, que envolve TV aberta, TV a cabo, rede de rádio, internet, editoras de livros, de revistas, sociedades explícitas e sociedades secretas, etc. etc. etc.

Hoje, o Ipês é a Globo.

 

Adriano Diogo foi presidente da Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva. Joana Monteleone é historiadora e editora.

 

Destaques