ATUALIDADES

Mulheres no ensino superior ainda são minoria apenas na docência

Participação feminina entre professores cresceu apenas 1% em uma década

As mulheres já formam há vários anos a maioria do corpo discente do ensino superior, tanto na graduação como na pós-graduação, atingindo também o maior número de títulos de doutorado. Mas ainda são minoria no quadro docente: em uma década, a participação feminina entre os professores cresceu somente 1%, de 44,5% para 45,5%. Os números, referentes ao período de 2006 a 2016, foram apresentados por Renato Pedrosa, coordenador do LEES (Laboratório de Estudos sobre Educação Superior) e docente do DPCT (Departamento de Política Científica e Tecnológica) do Instituto de Geociências da Unicamp. Ele conduziu o seminário “A participação feminina no Ensino Superior: tendências recentes”, realizado no Nepp (Núcleo de Estudos de Políticas Públicas).

Renato Pedrosa observa que a questão de gênero ganha cada vez mais importância em termos globais, aparecendo em todos os itens da agenda da ONU para o desenvolvimento sustentável. “A questão de gênero hoje se tornou muito mais complexa do que a declaração de sexo, que ainda vigora institucionalmente, e temos visto a sua gradativa inclusão como critério qualificador de políticas nas ciências, inclusive por agências de fomento. Nos conselhos nacionais europeus, a participação de gênero já aparece na análise de projetos de pesquisa – e muitas vezes se pede explicações em caso de não participação feminina. Isso ainda não chegou ao Brasil, mas a Fapesp, por exemplo, tem publicado informações sobre a participação feminina na liderança de projetos.”

O docente da Unicamp, que também coordena o Programa Especial de Indicadores da Fapesp, mostrou primeiramente dados gerais publicados pela Revista Pesquisa Fapesp nas edições de fevereiro e março deste ano, dando conta de que o número de professores e professoras em exercício no país subiu de 302 mil em 2006 para 384 mil em 2014 (27%). “O crescimento está concentrado no setor público, que passou de 101 mil para 170 mil docentes (68%) – aqui é preciso considerar o imenso impacto da expansão das federais, que dobrou o número de alunos e aumentou em 70% o quadro docente. O setor privado apresentou expansão de apenas 6,6%, de 202 mil para 215 mil professores, embora tenha dobrado o número de alunos de três para seis milhões.”


(Foto: Antoninho Perri/Jornal da Unicamp)

Renato Pedrosa, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Educação Superior: “A questão de gênero hoje se tornou muito mais complexa do que a declaração de sexo, que ainda vigora institucionalmente”

Prosseguindo com os dados gerais disponibilizados pelo Censo da Educação Superior (CES), agora referentes à titulação dos docentes, Pedrosa ressalta a mudança significativa daqueles que possuem apenas graduação, caindo de 12% em 2006 para apenas 2% do total em 2016. O grupo com especialização (lato sensu) também diminuiu de 30% para 20%, enquanto o grupo com mestrado subiu de 36% para 39% no mesmo período. “Já o grupo com doutorado cresce significativamente, passando de 22% para 39%, o que se dá nos dois setores: de 42% para 60%, no público, e de 13% para 22%, no privado. O total de docentes com pós-graduação subiu de forma correspondente, tanto no setor público (de 70% para 87%) como no privado (de 53% para 71%), atingindo 78% do total dos docentes do ES.”

Chama a atenção do pesquisador que o grupo de docentes que possuem apenas a graduação cai de 12% para 3% no setor público e, no setor privado, que era de 11%, ele simplesmente desaparece.  “As pessoas fazem críticas ao setor privado, mas os números mostram que o esforço de qualificação vem tendo efeito: hoje, 71% dos docentes têm mestrado (49%) e doutorado (22%), e todos os outros possuem especialização.”

Participação feminina

Segundo Renato Pedrosa, a participação feminina no ensino superior estava em 45,5% em 2016 (175 mil dos 384 mil docentes), apenas um ponto percentual acima de 2006, estabilidade vista tanto no setor público (45%) como privado (46%). “Uma observação é que 51% dos títulos de doutorado obtidos no país entre 1996 e 2014 foram por mulheres. Vemos, então, que apesar de já haver uma maioria de mulheres qualificadas inclusive para atuar no sistema público (que em geral contrata mais doutores), a mudança no corpo docente por gênero não é diferente de dez anos atrás. Conferindo a titulação dos docentes do ensino superior, vemos igual percentual de homens e mulheres com doutorado (39%); pequena vantagem dos homens com graduação (1,5% e 1,3%); vantagem masculina na especialização (22% e 19%); e uma diferença a favor das mulheres no mestrado (41% e 38%). Somando mestrado e doutorado, temos 80% para as mulheres e 77% para os homens.”

Já um gráfico produzido a partir de dados de estudo do CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos do MCTI) sobre a pós-graduação, projetado na tela por Pedrosa, traz os percentuais de mulheres entre os recipientes de títulos de doutorado concedidos, que variou de 47% para 53% no período de 2000 a 2014. “Tivemos aumentos expressivos da presença feminina em áreas como de ciências da saúde, que saiu de 53% para quase 70%. A área de linguística, letras e artes (a denominação é da Capes) apresenta uma queda, mas continua em patamar elevado, em torno dos 65%, sendo a segunda no total de participação feminina. Vêm depois as ciências biológicas (60%) e ciências humanas (58%), que mantêm certa estabilidade.”

O coordenador do LEES também destaca o crescimento das mulheres na área multidisciplinar, com uma participação que já acompanha a média de 53%. “Outro crescimento está nas ciências agrárias, que tinha menos de 40% de mulheres, índice que hoje está acima dos 50%. Nas ciências sociais aplicadas (em que se incluem direito, economia, administração), a presença feminina chega aos 57%. As duas áreas que tradicionalmente têm menos mulheres – e continuam com menos – são das engenharias (mas houve um pequeno crescimento) e das ciências exatas e da terra. Um dado importante é que, se pegarmos o período mais curto de 2006 a 2014, temos 51% de mulheres com o título de doutor – e convém guardar esse dado, pois se trata do grupo mais qualificado para a docência no ensino superior.”

Mulheres na ciência

Renato Pedrosa finalizou a palestra apresentando dados publicados em setembro de 2017 pela Revista Pesquisa Fapesp, referentes à participação feminina em projetos submetidos à agência paulista de fomento. Uma ressalva é que as bolsas de iniciação científica, mestrado e doutorado são concedidas ao pesquisador responsável, que no caso é o orientador do aluno, com exceção do pós-doutorado. “De 2000 a 2016, a participação feminina subiu de 36% para 42% entre os responsáveis pelos projetos submetidos à Fapesp. Em 2016, mulheres lideraram 11.333 projetos submetidos, enquanto homens, 15.504”.

Considerando as áreas de conhecimento, o docente da Unicamp afirma que na maior delas, que é de ciências da saúde, a maioria já é feminina, com 3.262 projetos submetidos, frente a 2.592 pelos homens. As mulheres se mantêm perto dos 50% nas áreas de linguística, letras e artes, de ciências humanas e de ciências humanas, e depois começam a descer até os pouco mais de 20% em ciências exatas e da terra.

“Em relação às submissões aprovadas, notamos uma queda no percentual, em geral, nas últimas duas décadas. Esse índice, que já foi acima de 50%, está hoje em torno de 40%. Em 2016, houve uma pequena diferença a favor dos homens nessa taxa de sucesso – 41% contra 38% das mulheres, mas que não deve ser considerada significativa, pois em anos recentes esses índices sempre estiveram muito próximos”.

Publicado originalmente no Jornal da Unicamp.

Destaques