XXIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

#TransparênciaFGV: candidatos protestam no Instagram contra mudanças na 1ª fase da OAB

No perfil da entidade responsável pela elaboração do Exame de Ordem, alunos protestam contra redistribuição de questões, sem aviso prévio, entre as disciplinas na prova objetiva aplicada no último domingo (23/7)

Candidatos inconformados com a redistribuição de questões entre as disciplinas na primeira fase do XXIII Exame de Ordem foram ao perfil da FGV (Fundação Getúlio Vargas) no Instagram para se manifestarem. Com a #transparenciaFGV nos comentários da última foto publicada pela Fundação, os bacharéis protestam contra as mudanças promovidas na estrutura da prova sem aviso prévio.

Leia os protestos nos comentários do post abaixo:

 

Mais um registro das #JanelasFGV feito pela @luisabittencourt 📷👏🏽🏙 #VidadeFGV #JanelasFGV #FGV

Uma publicação compartilhada por FGV | Fundação Getulio Vargas (@fgv.oficial) em

Aplicada no último domingo (23/7), a prova objetiva surpreendeu ao reduzir para oito o número de questões da disciplina de Ética, que tradicionalmente conta com 10 perguntas. Direitos Humanos também teve uma questão a menos. Ao mesmo tempo, as áreas de Processo Civil, Processo Penal e Direito Tributário tiveram, cada uma, uma pergunta a mais em relação às últimas edições do Exame.

As mudanças geraram muita polêmica em razão de Ética ser a disciplina central na preparação dos alunos por reunir, sozinha, o maior número de questões na prova de primeira fase. De caráter objetivo, a avaliação conta com 80 perguntas de múltipla escolha. Para ser aprovado, é preciso acertar 40 respostas.

Estimativas divulgadas em nota de repúdio contra a primeira fase publicada pela Anpac (Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos Públicos), entidade que reúne entre seus associados representantes dos principais cursos preparatórios do país, apontam que ao menos 80% dos candidatos que participaram da prova no último domingo (23/7) podem ter sido reprovados.

A redistribuição de questões, apesar de ter surpreendido, não foi ilegal. De acordo com o Provimento 156/13 da OAB, que regulamenta o Exame de Ordem, na primeira fase as disciplinas de Ética Profissional, Filosofia do Direito e Direitos Humanos devem somar, juntas, ao menos 15% das questões da prova. Mesmo com as novidades, as três disciplinas cumpriram este limite na prova de domingo.

“Fiquei bastante incomodado com a forma com que a FGV e a OAB trataram o último Exame de Ordem. É possível sim mudar o número de questões de Ética, Direitos Humanos e Filosofia, mas eu considero que a FGV deveria ter agido com transparência, com boa-fé, para que o candidato pudesse se estruturar para o Exame de Ordem”, afirmou Marco Antonio Araujo Jr, presidente da Anpac.

Em vídeo publicado ontem em sua conta no Instagram, Marco Antonio, que também é diretor executivo do Damásio Educacional, informou que a Anpac deverá oficiar a OAB para exigir mais transparência nas próximas edições do Exame.

 

Por um Exame de Ordem melhor! #oab #transparencia

Uma publicação compartilhada por Marco Antonio (@marcoantonioajr) em 

“Falei com o professor Renato Saraiva, que é vice-presidente da Anpac, e nós conversamos no sentido de oficiar o Conselho Federal da OAB para que possa exigir da FGV maior transparência na divulgação dos conteúdos programáticos”, afirmou Marco Antonio.

Desde 2010, a FGV é responsável pela elaboração do Exame de Ordem. A reportagem do Painel Acadêmico procurou a Fundação para comentários sobre os protestos, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.