VÍDEO

Antes exótico e desconhecido, Brasil adquiriu identidade própria sob olhar estrangeiro, diz escritor

Daniel Buarque, autor de 'Brazil, um país do presente', analisa como percepção sobre imagem brasileira no exterior foi alterada na primeira década do século XXI

Na primeira década do século XXI, houve uma mudança na forma como outros países, sobretudo os EUA, passaram enxergar o Brasil. De exótico e desconhecido, o país começou a ser visto, sob os olhares estrangeiros, com uma identidade própria. Esta é a análise do escritor e jornalista Daniel Buarque, autor do livro Brazil, um país do presente (Alameda, 379 pgs, R$52,00), que discute as mudanças em como a imagem do Brasil é recebida no exterior.

“Não existe mais a ideia de que o Brasil é apenas um país latino que pode ser igualado, por exemplo, à Argentina. Na virada da primeira para a segunda década deste século, o país passou a ter visibilidade e ser entendido por ter sua própria cultura, sociedade e economia”, diz o autor, que estudou a imagem do Brasil nos EUA em 2010.

A razão para a consolidação da identidade brasileira no exterior, diz Buarque, é a visibilidade internacional que o país adquiriu, entre outras coisas, com o crescimento dos Brics (bloco econômico que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), protagonismo regional, a estabilidade em meio à crise econômica de 2008, além da expectativa pela Copa do Mundo (2014) e pelas Olimpíadas (2016).

No começo desta década, o Brasil era ‘a bola da vez’, ou seja, país emergente que animava o mercado financeiro e despertava interesse ao redor do mundo enquanto outros países enfrentavam dificuldades. Agora em 2015, mesmo com o panorama diferente (economia brasileira passa por dificuldade), a identidade brasileira está consolidada, pois o mundo passou a enxergar esse novo Brasil, que deixou de ser apenas uma promessa”, analisa.

Por outro lado, Daniel Buarque afirma que é difícil mensurar até onde esse novo olhar estrangeiro se transforma de fato em "conhecimento", ou seja, "uma imagem precisa e clara sobre o que é o Brasil".

O autor também faz outra ressalva: muitas vezes é o próprio povo brasileiro o responsável por propagandear e massificar os estereótipos do país, algo ao qual ainda estamos presos, diz Buarque.

"As pessoas associam o Brasil ao país do futebol, do carnaval, das mulheres bonitas, etc. Isso é muito difícil de quebrar, pois muitos desses estereótipos fazem parte do que nós brasileiros acreditamos ser o Brasil. Ou seja, vendemos ao mundo que aqui é o país futebol, das mulheres bonitas e assim por diante. E, por outro lado, ficamos frustrados quando vemos a imagem do país no exterior simplesmente como país do futebol e das mulheres bonitas. Então, temos uma dicotomia de como o Brasil se vende, como é visto pelos estrangeiros e como reage a estereótipos", analisa.

Brazil, um país do presente
Editora: Alameda
Páginas: 379
Preço: R$52,00

*Reportagem publicada originalmente em Opera Mundi.

Destaques