"O policial federal deve ter aptidão física, raciocínio rápido e controle emocional", diz delegado

Por Ayrina Pelegrino

 

Para quem pretende seguir a carreira de delegado de polícia, o Última Instância esclarece várias dúvidas sobre a profissão. Está previsto para esse ano o concurso público da Polícia Federal para 150 cargos. E já estão abertas as inscrições para 100 vagas de delegado na Polícia Civil da Bahia. E 30 vagas para delegado na Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

Vista como uma área promissora pelos interessados nas carreiras públicas, o cargo de delegado da Polícia Federal exige formação em Direito e um perfil bastante específico. Atualmente, o país conta com 11,3 mil policiais federais e 1,7 mil delegados.

O concurso público de ingresso na carreira conta com provas, teste de aptidão física, investigação social e exames médicos. O delegado só é efetivado após ser aprovado no estágio probatório com duração de três anos. Após efetivação, o delegado torna-se servidor federal e não pode exercer outra ativida. Passa também a ter direito a uma série de benefícios como auxílio para alimentação, pré-escola, transporte, moradia (cargos de direção) e funeral.

“O policial federal deve ter aptidão física, capacidade de concentração e de suportar adversidades, raciocínio rápido e controle emocional”, alerta Andersson Santos.

Dentre as adversidades vivenciadas no dia a dia, Santos destaca a necessidade de tomar decisões rápidas e precisas. “A resolução de problemas quase sempre tem que ser feita na hora, com todos os riscos inerentes e com o mínimo de margem de erro. E a decisão é imediata, às vezes em frações de segundo, sem tempo para consultar livros, doutrina, jurisprudência”, diz o delegado.

“No entanto, apesar das eventuais adversidades e dificuldades, ser policial federal é gratificante”, comenta. Para ele, o serviço prestado de enfrentamento ao crime organizado, no combate à corrupção, por exemplo, “é uma honra”.

Além das funções exercidas pelo profissional, o delegado fala sobre os trabalhos que já desenvolveu e explica as peculiaridades do ingresso na carreira. Confira a entrevista:

Última Instância — Existe um perfil para ser policial federal?
Andersson Santos —
Sim, e não é o perfil mostrado nas novelas, normalmente um personagem agressivo, sorrateiro e que gosta de pegar no pé dos mocinhos. O policial federal deve ter aptidão física, capacidade de concentração e de suportar adversidades, raciocínio rápido, controle emocional, capacidade de memória e senso de dever. Também deve ter conhecimentos adequados à exigência do cargo, ser autoconfiante, altruísta, ponderado, assertivo, autodisciplinado, persistente, dinâmico e, acima de tudo, paciente.

Última Instância — Quais são as principais atribuições do delegado federal?
Andersson Santos —
As principais são instaurar e presidir procedimentos policiais de investigação de crimes contra a ordem política e social ou em detrimento de bens, serviços e interesses da União, dentre outros ilícitos, e planejar e coordenar operações policiais.

Última Instância — Com que assuntos o delegado lida no dia a dia?
Andersson Santos —
Os assuntos são muitos e bastante variados. Embora todas as unidades da Polícia Federal possuam as mesmas competências, existem assuntos que são mais tratados em umas unidades do que em outras. Depende, e muito, da cidade e da delegacia onde ele está lotado.

Última Instância — O senhor pode comentar casos em que já trabalhou?
Andersson Santos —
Quando fui lotado em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, trabalhei na Delegacia de Defesa Institucional. Lidava diariamente com a repressão ao trabalho escravo, tráfico de pessoas, pedofilia pela rede mundial de computadores, crimes contra os direitos humanos, segurança de dignitários e registro de arma de fogo. Também realizava entrevista para porte de arma, coordenei as operações de segurança nas eleições municipais de 2008 e lidei com a questão indígena.
Por conta do tipo de serviço desempenhado negociei a libertação de servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio) mantidos reféns em aldeia. Conheci quase todas as áreas indígenas do Estado de Mato Grosso do Sul, à exceção dos Guatós, em Corumbá.

Última Instância — Como é o concurso para o ingresso nos quadros da Polícia Federal?
Andersson Santos —
É longo, difícil e concorrido. O certame dura, entre a inscrição e a posse no cargo, pouco mais de um ano e é dividido em duas etapas. Na primeira etapa, o candidato ao cargo de Delegado de Polícia Federal é submetido a provas de conhecimento (objetiva e discursiva), exame de aptidão física (barra fixa, impulsão horizontal, corrida e natação), avaliação psicológica e rigoroso exame médico. A partir do próximo concurso, que será realizado neste ano de 2012, poderão ser aplicadas outras exigências.

Última Instância — E depois de aprovado, o que o novo integrante faz?
Andersson Santos —
A segunda etapa é composta pelo Curso de Formação Profissional, realizado na Academia Nacional de Polícia, em Brasília, no qual são matriculados os candidatos aprovados na primeira etapa e classificados dentro do número de vagas previsto em edital.
O curso tem duração média de 20 semanas, é realizado em regime de internato e composto por mais de 30 disciplinas teóricas e práticas, desde armamento e tiro a direitos humanos, passando por defesa pessoal e ética. Ao final do Curso de Formação Profissional, os alunos são classificados a partir da média das notas obtidas nas mais de 30 disciplinas.
A Polícia Federal oferece um rol de vagas com o mesmo número de candidatos matriculados no curso e as vagas são escolhidas por ordem de classificação. Cerca de vinte dias após a cerimônia de formatura, o candidato é nomeado e deve tomar posse na capital do estado no qual escolheu a sua lotação. Desde 2009, a Polícia Federal adotou a sistemática de nomear os candidatos em estados situados no âmbito da Amazônia Legal ou em regiões de fronteira.

Última Instância — Existe algum tipo de curso de atualização que é aplicado quando o profissional já está trabalhando?
Andersson Santos —
Sim, a Polícia Federal realiza cursos de atualização para os seus servidores constantemente. É lógico que uma instituição espalhada pelo território, com unidades em mais de noventa cidades possui restrições orçamentárias e técnicas para capacitar todos os servidores. No entanto, por meio do trabalho realizado pela Academia Nacional de Polícia, a Polícia Federal tem oferecido cursos de especialização e de educação continuada, tendo avançado muito em educação à distância.

Última Instância — O senhor pode dar um exemplo?
Andersson Santos —
Posso citar que a Academia Nacional de Polícia realizará, apenas no primeiro trimestre de 2012, vinte e cinco eventos educacionais, dentre eles o curso de gerenciamento de crises envolvendo comunidades indígenas, o curso especial de condutores de embarcações do serviço público e o curso de dispositivos de clonagem de cartões bancários. Sem contar os cursos para promoção funcional e os cursos de especialização em andamento.

Última Instância — Existem níveis na carreira para fins de promoção?
Andersson Santos —
A carreira do policial federal é dividida em quatro classes. Os policiais ingressam na terceira classe. Após três anos de exercício ininterrupto no cargo, são submetidos a um curso de aperfeiçoamento. Os policiais aprovados neste curso e que tiveram avaliação de desempenho satisfatória nos três anos de exercício são automaticamente promovidos à segunda classe.
Para ingressar na primeira classe, os requisitos são os mesmos: avaliações de desempenho satisfatórias e conclusão, com aproveitamento, de curso de aperfeiçoamento. No entanto, o lapso temporal aumenta de três para cinco anos.
Após treze anos de carreira – três anos na terceira, cinco anos na segunda e cinco anos na primeira classe -, o policial é submetido a um novo curso de aperfeiçoamento e, caso aprovado e possua avaliações de desempenho satisfatórias, é alçado ao último nível, que é a classe especial.

 

LEIA MAIS:

Concursos para área jurídica com inscrições até maio oferecem cerca de 500 vagas

Saiba quais são as principais mudanças da nova ortografia

Ser policial não é como mostrado nas novelas, diz delegado da Polícia Federal

Delegado da Polícia Civil explica como é o dia a dia da profissão

Últimas notícias