DICAS DE PORTUGUÊS

Você sabe usar o "ponto e vírgula" corretamente?

Por que estudar pontuação? Apenas para ser aprovado em um concurso público? Definitivamente não. Por meio do estudo sintático prático, consegue-se chegar a um texto claro, coerente, lógico.

Já que estamos tratando de organização textual, como fazer o uso de “ponto e vírgula”?

Ponto e vírgula é o sinal de pontuação intermediário entre o PONTO e a VÍRGULA (daí o próprio nome); evite pensar apenas naquela definição “pausa mais forte que a da vírgula e menos que a do ponto”. Um caminho simples: responsável pela enumeração de orações, itens, termos. Pronto! Ponto e Vírgula é, essencialmente, ENUMERADOR. Vamos a alguns exemplos:

“Dilma reúne-se com ministros; Obama, com governadores.”

Primeiramente uma oração; depois, outra:

“Em São Paulo, chove; em Goiás, faz sol.”

É interessante notar que o citado sinalzinho separa estruturas coordenadas (que não se dependem) já portadoras de vírgulas internas, pertencentes à mesma ideia. Tal recurso auxilia bastante a produção de textos argumentativos:

“Durante o governo Lula, defendeu-se largamente a liberdade de expressão; no governo Dilma, o povo literalmente saiu às ruas.”

A organização de simples enunciados enumerativos ocorre também por “ponto e vírgula”:

“Nossos protestos preveem:
a) Respeito ao patrimônio público;
b) Humanismo;
c) Compromisso Social.”

Vale também pontuar alguns fatos que vêm ocorrendo em nossa nação. A Língua Portuguesa, ironicamente ou não, pode uni-los e separá-los:
 
“Collor, FHC, Lula, Dilma; Bush, Clinton, Obama; eu espiono, tu espionas, ele espiona; nós protestamos; eles continuam a espionar e ponto.”

Ah! Pelo novo acordo ortográfico, a expressão “ponto e vírgula” não mais faz uso de hífen.

Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

*Originalmente publicado no site Última Instância